Um dia

Todo dia é um único dia. Aquelas únicas 24hrs que passarão e você não poderá tê-las de volta.

Então por que não aproveitamos tanto quando podemos? E não, não tô falando de largar tudo e ir mochilar na Europa, que nem um bando de idiotas dizem que devemos fazer, ignorando o fato de que a maioria: não tem tempo e/ou dinheiro pra isso.

Enfim, por que não sorrir pro porteiro e ganhar um sorriso de volta, ou ganhar um olhar de “que porra é essa” e ficar rindo disso o resto do dia?
Por que não parar 2 minutos e lembrar que tudo isso aqui é temporário e que vai acabar e recomeçar e acabar?
Por que não lembrar que cada pessoa carrega um universo dentro de si mesma e que isso cria infinitas possibilidades de conexões humanas?
Por que deixar de reparar no céu enquanto você anda do ponto de ônibus pra casa?

Todos mundo tem esses momentos, eventualmente nossa cabeça para e diz “sério, olha aquilo, que negócio FODA”, mas é tão raro…

O normal é viver cada dia como se fossemos infinitos, como se todos com quem nos importamos fossem ficar aqui pra sempre. Como se brigas e mortes não existissem. Isso é de uma inocência e egocentrismo desmedidos.

Eu não sou uma pessoa carpe diem, qualquer um que me conhece, ou me lê aqui, sabe disso. Mas eu gosto de parar e sentir, ver, viver os dias lembrando que são únicos (quando não tô em crise de depressão e/ou ansiedade).

Lembro que Doctor Who me fisgou no segundo episódio da nova série, quando a Rose volta pra Terra depois de ter viajado no futuro e visto o planeta desaparecer. Ela volta e finalmente realiza que tudo aquilo que ela tá tão acostumada, que ela toma por garantido, eventualmente vai acabar. E essa é uma das melhores realizações que alguém pode ter.

Por isso, hoje, lembre-se que você não tem uma máquina do tempo (ainda?) e que pessoas e momentos são finitos.

Anúncios

Vivendo com Ansiedade II

Sabe aquela coisa cotidiana que todo mundo vive, passa e parece tão fácil?
Ela quase me mata. Ou me faz querer estar morta. É como se passar por aquilo fosse me fazer virar uma gelatina, como moléculas fazendo algo esquisito e me transformando em um Jabba que não tem esqueleto.

Um exame de sangue.
Uma reunião com o chefe.
Uma checagem na conta bancária.
Um show que vou sozinha.

E se eu tiver uma doença grave?
E se eu for demitida ou ouvir que estou por um fio?
E se eu ver que tenho menos do que achei que tinha?
E se todo mundo me julgar por estar sozinha? Eu pareço esquisita estando lá sem ninguém?

Isso tudo vem antes. É o sofrimento por antecipação. É viver aquilo intensamente antes mesmo de acontecer.

Quando acontece, as frases mudam de perguntas para afirmações.

Eu devo ter câncer em 90% do meu corpo.
Ele vai me demitir ele vai me demitir ele vai me demitir.
Certeza que estou devendo pro banco e agora vou viver de miojo por meses.
Sim, me acham esquisita. Quem vai num show sozinha? Por que eu não tentei convencer ninguém? Talvez eu tenha irritado meus amigos e eles estão de saco cheio de mim.

Qualquer uma dessas situações, entre um milhão de outras, pode desencadear ataque de pânico, insônia, choro, crise de ansiedade ou depressão.

E é nessas horas que você agradece ao psiquiatra pela graça divina do calmante alcançado e simplesmente aproveita enquanto se afoga naquela névoa confortável e quentinha, onde nenhum dos problemas parece grande coisa.

Pena que os efeitos não duram pra sempre.